segunda-feira, 23 de abril de 2012

O que fazer com a pessoa que sempre atrasa no serviço?

Está aí um problema: o que fazer com aquela pessoa que, embora competente, insistentemente chega atrasado no serviço?


Ao pensar sobre isso, recordo-me da aula de psicologia, ainda no ano passado; aprendemos sobre o reforço do comportamento. Segundo a professora da disciplina, para condicionar o comportamento devemos atribuir reforços, não punição. Elogiar quando está ‘ficando bom’ (mesmo que ainda não está 100%) e não punir (na verdade a punição desmotiva).


Um exemplo prático: um funcionário que sempre chega atrasado ao serviço não deveria ser punido, deveria sim ser elogiado. Como? Quando ele chegar próximo do horário, assim, o comportamento do funcionário seria “moldado” pelos elogios até ficar 100%.


Isso acontece muito em sala de aula. O professor que se irrita com um aluno “conversador”. O correto, segundo o behaviorismo, é elogiar o aluno quando este não conversar. Como posso conversar na sala de aula com o professor me dispensando a atenção e até mesmo citando meu nome em exemplos? Só o fato do professor falar seu nome, já causa uma certa indisposição para a conversa paralela.


A criança que é retirada da sala como forma de punição à conversa desenfreada, segundo a teoria em questão, seria condicionada (aprenderia inconscientemente) totalmente o contrário, o que seria reforçado nesse caso, é o comportamento de conversar, e não o comportamento de ficar calada.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Boa postagem Daniel! Esse método com certeza estimula muito as pessoas a agirem da forma desejada, sendo que aos poucos é possível moldar seus hábitos.
    Na minha turma de Psicologia a professora também deu um exemplo nesse sentido, o que facilitou a compreensão do valor e retorno que um elogio pode trazer.
    Vamos nos lembrar sempre disso, reforçar e não punir! (Lidiane Alves de Deus, 849)

    ResponderExcluir

Não esqueça de colocar seu nome e matrícula entre parênteses.